Diarreia

0
22
visualizações

diarreia-sintomas

O que é Diarreia?

A diarreia é uma doença muito comum que consiste na evacuação de fezes líquidas de forma frequente e sem controle. Ela pode ser tanto aguda quanto crônica, dependendo do tempo de duração dos sintomas.

Tipos

A diarreia pode ser tanto aguda quanto crônica. O fator determinante para seu diagnóstico é o tempo de duração dos sintomas.

Diarreia aguda apresenta sintomas por poucos dias e é causada, geralmente, por vírus, bactéria ou algum outro parasita.

Já a diarreia crônica persiste por cerca de três a quatro semanas e pode indicar desde a síndrome do intestino irritado até condições mais graves, como doença de Crohn e colites ulcerosas.

Causas

A causa mais comum da diarreia é a infecção por vírus, bactérias ou outros parasitas que entram no organismo, causando gastroenterite – inflamação aguda que compromete os órgãos do sistema gastrointestinal.

Diarreia também pode ser causada por intoxicação alimentar e por alguns medicamentos, como antibióticos, laxantes que contenham magnésio e quimioterapia.

Algumas doenças também podem levar à diarreia, como a doença de Chron, colites ulcerosas, doença celíaca, síndrome do intestino irritável, intolerância à lactose, entre outras.

Fatores de Risco

Por ser uma doença muito comum, qualquer pessoa pode apresentar diarreia. Não importa o gênero nem a idade. Entretanto, alguns comportamentos de risco podem levar ao surgimento da diarreia. Veja:

Ingerir água e alimentos contaminados com fezes humanas ou animais
Viajar para países que não tenham bom saneamento de água
Consumo exacerbado de cafeína
Consumo exacerbado de álcool
Fumo.

Buscando Ajuda Médica

A maioria dos casos de diarreia resolve-se sozinha. Mas atenção: a diarreia pode ser sinal de que há algo com que você deva se preocupar. Por isso, é importante procurar um especialista para certificar-se de que não há nenhuma condição envolvida no surgimento da diarreia.

A atenção para crianças deve ser redobrada, principalmente quando ela vem acompanhada de outros sintomas, como febre e vômito, pois pode levar a um problema sério de desidratação. Nesses casos, busque ajuda médica se os sintomas da criança não melhorarem em pelo menos 24 horas. Verifique também se não há presença de sangue ou muco nas fezes e se a criança não demonstra cansaço e fica irritado facilmente.

Você também deve procurar um especialista se os seus sintomas não desaparecerem sozinhos em dois dias e se você passar a apresentar sinais de desidratação.

É importante buscar ajuda especializada, também, se sentir dores abdominais ou retais, cólicas, apresentar sangue nas fezes ou febre.

diarreia-2

Tratamento e Cuidados

O tratamento para diarreia é geralmente feito em casa, por meio da ingestão de líquidos, a fim de evitar desidratação.

O médico também poderá receitar alguns medicamentos. Esses remédios geralmente não precisam de prescrição, mas evite-os a não ser que seja orientação médica.

Medicamentos para Diarreia

A diarreia pode ter diversas causas, de modo que o tratamento varia de acordo com o diagnóstico estabelecido pelo médico. Por isso, somente um especialista capacitado pode dizer qual o medicamento mais indicado para o seu caso, bem como a dosagem correta e a duração do tratamento. Os medicamentos mais comuns no tratamento de diarreia são:

Azitromicina
Bactrim
Bacteracin e Bacteracin-F
Clordox
Cefalotina
Ciprofloxacino
Digesan
Doxiciclina
Floratil
Imosec
Prednisona

Siga sempre à risca as orientações do seu médico e NUNCA se automedique. Não interrompa o uso do medicamento sem consultar um médico antes e, se tomá-lo mais de uma vez ou em quantidades muito maiores do que a prescrita, siga as instruções na bula.

Convivendo/ Prognóstico

Saber conviver com a diarreia é, também, saber trata-la. Siga à risca as orientações médicas e livre-se o quanto antes do problema.

diarreia

Veja algumas medidas caseiras que você pode adotar para acelerar o tratamento e a recuperação:

– Beba de 8 a 10 copos de líquidos leves todos os dias
– Beba pelo menos um copo de líquido toda vez que você tiver uma evacuação sem controle
– Faça refeições pequenas ao longo do dia, em vez de três refeições grandes
– Coma alimentos salgados, como bolachas, sopa e bebidas energéticas
– Coma alimentos ricos em potássio, como banana, batata sem pele e suco de fruta diluído. Esses alimentos e outros alimentos, como maçãs, são conhecidos como os que “seguram o intestino”
– Descanse bem.
– Se você apresenta uma forma crônica de diarreia, como aquela causada pela síndrome do intestino irritável, tente enriquecer a dieta com grãos e farelos integrais para dar consistência às fezes e regular os intestinos.
– Se você está amamentando seu bebê, continue a fazê-lo mesmo com a diarreia.

Recuperação

O tempo de recuperação pode variar de acordo com o tipo de diarreia. Geralmente, diarreias agudas demoram cerca de alguns dias para passar. Já a diarreia crônica pode levar de três a quatro semanas para desaparecer.

Para o primeiro caso, o tratamento pode ser dispensado, já que a doença desaparece sozinha. No segundo, o tratamento pode ser exigido, uma vez que a diarreia pode ser sinal de algum outro problema.

Prevenção

Diarreia associada a antibióticos pode ser prevenida com o uso de suplementos que contêm bactérias benéficas. Para saber mais sobre isso, converse com seu médico.

Iogurte com culturas vivas ou ativas são uma boa fonte dessas bactérias benéficas e também ajudam a evitar a diarreia.

As seguintes medidas de saúde podem ajudar na prevenção de doenças que provocam diarreia:

– Lave as mãos com frequência, principalmente após ir ao banheiro e antes de comer
– Use álcool em gel para desinfetar as mãos com frequência
– Ensine as crianças a não levar objetos à boca.

Ao viajar para áreas subdesenvolvidas, siga as medidas abaixo para evitar a diarreia:

– Beba somente água mineral e não use gelo, a menos que ele seja feito com água mineral
– Evite vegetais não cozidos ou frutas com casca
– Evite frutos do mar crus ou carne malpassada
– Evite o consumo de lacticínios, principalmente se tiver intolerância à lactose.

Fonte: Federação Brasileira de Gastroenterologia

DEIXE UM COMENTÁRIO

Digite seu comentário!
Digite seu nome aqui